terça-feira, 21 de maio de 2013

Site 'Portal 730' defende participação da atriz Gloria Pires

A cidade tem moradores ilustres e o fato é ótimo. Um dos habitantes que honram Goiânia é a atriz Gloria Pires, imigrante por causa do marido, o cantor Orlando Morais. Aqui, além da origem do marido, o casal tem residência e negócios, além de milhares de fãs, mais dela, mas também dele. Agora, a atriz está sendo injustamente celebrada e desdenhada por protagonizar a nova campanha do governo de Goiás. Os adversários de Marconi Perillo a espinafram por ela fazer o seu trabalho, os bajuladores do governador a endeusam pelo mesmo motivo. Os dois grupos estão errados, ela está correta. 

Gloria Pires é, com o perdão pelo trocadilho, uma das glórias da televisão brasileira. E com sucesso consolidado, não raso como o pires no qual seus assacadores carregam a inteligência. Gloria Pires não surgiu no Big Brother, nem rebola no palco de programa apelativo, nem aparece no noticiário por envolvimento amoroso. Gravar comerciais para um administrador público não a agiganta nem a apequena – a celeuma só mostra o tamanho do cérebro de quem milita a favor ou contra governos. 

Gloria Pires é uma diva, uma estrela. Pode até gostar da gestão de Marconi como pode considerá-la ruim. Não é o interessa. Gloria Pires está na campanha publicitária do Governo de Goiás como José de Abreu esteve para Dilma e Lula. Como Milton Gonçalves fez os comerciais do PMDB. Como tantos artistas participaram de campanhas, inclusive eleitorais, ao lado de tantos políticos. Marília Pêra acreditou em Fernando Collor e isso em nada reduziu o seu talento. Chico Buarque é muso das esquerdas e, mesmo elas tendo matado milhões de pessoas, sua qualidade como letrista continua indiscutível. Ocorreu o mesmo com Oscar Niemeyer, que viu o comunismo ruir e se manteve fiel enquanto viveu e viveu muito. 

Tony Ramos está na propaganda do Friboi. Por acaso o excelente ator já passou pelos setores Finsocial, Nova Esperança e Colorado para sentir a fedentina do frigorífico? O ator está ali em um papel, não referendando empréstimos no BNDES ou candidatura a governador. Como nos dois filmes de grande sucesso, Tony Ramos e Gloria Pires poderiam muito bem trocar os papéis. Ele nos anúncios do governo do Estado, ela na campanha do Friboi. Não seria comédia nem tragédia, apenas mais um trabalho. E é assim que os comerciais devem ser analisados, independentemente dos artistas que os estrelam. O que vale é o produto, o conteúdo, não as palavras ou quem as pronuncia.

Fonte:

2 comentários:

Letícia Vieira disse...

Concordo absolutamente, a "oposição" não está julgando o conteúdo e sim a imagem que com certeza pesa bastante...

Carol Laurindo disse...

' Tambem concordo , as pessoas estão julgando a imagem da Gloria que esta no comercial e não o conteúdo , queria ver se fosse outra pessoa famosa estrelando o comercial , se iriãocritica-la por fazer apenas um comercial e nada alem disso...