segunda-feira, 5 de agosto de 2013

"Interpretar uma lésbica não é problema, é solução", diz Gloria Pires

Durante coletiva nesta segunda-feira (5) em São Paulo, a atriz Gloria Pires, que interpreta a arquiteta Lota de Macedo Soares no filme "Flores Raras", diz acreditar que o longa vem em um momento importante, em que se discute a "cura gay"

Dirigido por Bruno Barreto, "Flores Raras" narra o caso de amor entre Lota e a poetisa americana Elisabeth Bishop, interpretada pela atriz australiana Miranda Otto. Não faltam cenas de beijos e carinhos entre as duas mulheres ao longa. 

 "No filme, o casal de mulheres é mostrado de uma maneira comum. O filme desmistifica o universo gay", afirmou Gloria. Para a atriz, o fato de a personagem ser gay não foi um obstáculo. "O fato de a personagem ser homossexual não é problema, é solução. Como atriz, eu busco desafios e quando você faz muita televisão, fica enquadrado. Quando o convite chegou, dei pulos de alegria." 

Conhecida por seus papeis em "O Senhor dos Aneis: As Duas Torres", "O Senhor dos Aneis: O Retorno do Rei" e "Guerra dos Mundos", Miranda Otto disse sentir-se sortuda por ter sido convidada para ir ao Rio de Janeiro filmar o projeto. "Fiquei encantada com a beleza natural do país, a receptividade e noção de estética do povo brasileiro", afirmou a australiana. A atriz admite, porém, que não aprendeu muitas palavras em português. "Sei pedir três doses de cachaça (uma das falas de sua personagem) e agradecer. Não sei falar muito mais do que isso"

Miranda contou ter ficado aliviada ao saber que a poeta não falava bem o português também. Longo caminho até a telona Também presente na coletiva, Paula Barreto, produtora do longa e irmã de Bruno Barreto, contou que a produção teve dificuldades de conseguir patrocínio porque conta a história de amor entre duas mulheres, apesar de ter tido um orçamento de R$ 13 milhões. Somente uma empresa privada entrou como patrocinadora. "Ainda temos dívidas que pretendemos sanar com o lançamento do filme", afirmou Paula. 

Os direitos do livro "Flores Raras e Banalíssimas" foram comprado por Lucy Barreto em 1995, que na mesma época convidou Gloria Pires para o papel de Lota. O filme demorou tantos anos para ser realizado porque Lucy nao encontrava um diretor, já que Bruno Barreto não tinha se interessado pela história no início. O projeto chegou a ser oferecido para Hector Babenco, que também recusou. Somente em 2008, Bruno acreditou que poderia contar essa história e decidiu começar a filmar em 2012, mesmo sem ter o orçamento fechado. 

O diretor ainda disse que nao conseguiria pensar em outra atriz para o papel de Lota, mesmo se Glória nao estivesse ligada ao projeto. "Só escrevi uma carta de fã na vida e essa carta foi para a Gloria, pela cena em que ela fica bêbada no banheiro em 'A Partilha'", conta Bruno. "Flores Raras" abrirá o 41º Festival de Cinema de Gramado, que ocorre de 9 a 17 de agosto no Rio Grande do Sul. O filme entra em cartaz no dia 16 de agosto.


Fonte:


Nenhum comentário: